Allianz Cup

Meia-Final

1-2

40’ Mikel 32’ Lincoln  65’ Sarabia

Rescaldo

CD Santa Clara

Onze Inicial

1 Ricardo
3 Mikel 40’
4 Boateng
95 Sagna 85'
6 Mansur 85'
8 Anderson (c) 73' 25'
19 Romão 85'
10 Lincoln 32’
23 Cryzan 73' 34'
98 Ricardinho
77 Rui Costa 65’

Suplentes

99 Marco
2 Rafael Ramos 85'
14 Rúben Oliveira
16 Paulo Henrique 85' 90+8'
17 Tassano
20 Barreto 85'
21 Nené 73'
27 Tagawa
30 Mohebi 73'

Treinador

Mário Silva

Sporting CP

Onze Inicial

1 Adan
2 Matheus Reis
6 Palhinha 68'
7 Tabata
11 Nuno Santos 90'
13 Neto (c)
15 Ugarte
17 Sarabia 65’ 81'
25 Inácio
28 Pedro Gonçalves 68'
47 Esgaio 81' 23'

Suplentes

31 Virgínia
3 Feddal
8 Matheus 68'
10 Jovane
16 Vinagre 81'
19 Tiago Tomás 90'
21 Paulinho 68'
57 Geny
87 Esteves 81' 90+9'

Treinador

Rúben Amorim

Árbitro Principal

António Nobre

Assistente

André Campos

Assistente

Pedro Felisberto

4.º Árbitro

André Narciso

VAR

Nuno Almeida

AVAR

Nélson Almeida

Foi preciso muito para nos derrubar.

 

Mesmo reduzido a 10 jogadores, sem que nada o fizesse prever, o CD Santa Clara mostrou a alma insular e batalhou até aos últimos instantes.

 

Terminou na quarta-feira a campanha histórica do CD Santa Clara na Allianz Cup, depois da meia-final frente ao Sporting CP. Impera, acima de tudo, o orgulho pelas nossas cores e a resposta que deixamos em campo contra um adversário de grande qualidade. A verdade é que foi preciso muito para nos derrubar – uma longa interrupção e uma expulsão depois, e batalhando frente ao campeão nacional, o Santa Clara não arredou pé.

 

Naturalmente, e até porque defende o título na competição, o Sporting entrou superior na partida e, embora não tendo dispondo de oportunidades flagrantes para fazer golo, acabou por limitar as ações com bola do Santa Clara. Gradualmente a equipa de Mário Silva foi procurando a resposta e acabou mesmo por chegar à vantagem. Ainda a distância considerável, e com uma barreira de apenas 2 elementos, Lincoln aproveitou o espaço para converter um brilhante livre direto, de pé esquerdo. Estava aberto o marcador em Leiria.

 

À procura de repor a igualdade, o Sporting acabou por vir tal acontecer por um autogolo de Mikel, quando o venezuelano procurava desviar um cruzamento tenso de Nuno Santos. A bola acabou por ir ao fundo das redes, mas podia não ter sido esse o resultado ao intervalo: depois de livre em posição lateral, Cryzan cabeceou ao poste de Adán. Por pouco não tivemos nova vantagem açoriana, mesmo à boca do intervalo.

 

A verdade é que nos primeiros 45 minutos, apesar do adversário se superiorizar de forma imensa na posse de bola, ambas as formações dispuseram dos mesmos (3) remates à baliza. Sempre que foi a territórios mais avançados o Santa Clara mostrou perigo.

 

No segundo tempo ficou patente, no primeiro quarto-de-hora, que o Santa Clara conseguiu muito bem gerir o ritmo de jogo, impedindo que o Sporting pudesse, com maior conforto, impor as suas ideias de jogo. Até ao momento que inevitavelmente mudou radicalmente a partida e, tem de se dizer, limitou o espetáculo: numa bola que parecia não ir direccionada à baliza de Ricardo Fernandes, e em que num primeiro momento até há um desvio com a coxa, foi deliberada uma grande penalidade e consequente expulsão de Rui Costa.

 

Depois de longa paragem no encontro e concretização bem-sucedida de Pablo Sarabia, o Santa Clara via-se a perder pela 1ª vez no encontro, e com menos 1 jogador em campo. Naturalmente, e com vantagem, o Sporting conseguiu gerir melhor e impedir que o Santa Clara pudesse responder com outros argumentos. Pese embora o desafio titânico, os açorianos ganharam novo fôlego com as substituições promovidas por Mário Silva e, com mais coração que outra coisa, procuraram a baliza adversárias e em diversas ocasiões, com outra definição, podiam inclusive ter ameaçado de forma séria as redes de António Adán.

 

É preciso reiterar, de novo, que foi preciso muito para derrubar o CD Santa Clara que fez das tripas coração. Contudo, permanece o nosso orgulho de ter chegado a esta fase da competição e de, na adversidade, darmos uma perfeita mostra de quem somos e do quão unidos permanecemos.

DESTAQUES

 

Lincoln: Mais um golo de bandeira do médio brasileiro que, à passagem da meia-hora, deu a vantagem no jogo ao Santa Clara.

 

Kennedy Boateng: O central africano tem crescido a olhos vistos e esteve, novamente, muito seguro no eixo defensivo.

 

Ricardinho: Muito esforçado em todos os momentos do jogo.

90+8'António Nobre apita para final da partida.
73’Entram Mohebi e Nené para os lugares de Cryzan e Anderson.
65’Golo do Sporting por grande penalidade. 2-1. Rui Costa é expulso pela infração.
50’Canto para Lincoln!
46’Início do segundo tempo!
45’Intervalo na partida!
40’Empata o Sporting, 1-1.
32’LINCOLN! 0-1 para o Santa Clara!
25’Metade da primeira parte percorrido. Vamos!
17’Jogo temporariamente interrompido por assistência médica a Mansur, que já recuperou.
13’Perigoso! Cabeçada de Mansur que segura o guarda-redes Adán.
3’Boa incursão de Romão!
1’Início da partida! Vamos, Santa Clara!