Liga NOS

32ª Jornada

1-0

54' Carlos Júnior 

Rescaldo

CD Santa Clara

Onze Inicial

1 André Ferreira
2 Rafael Ramos
3 Mikel Villanueva
4 Fábio Cardoso
6 Mansur
27 Anderson Carvalho
25 Hidemasa Morita
10 Lincoln
7 Allano
23 Cryzan
13 Carlos Júnior 54'

Suplentes

97 Rodolfo Cardoso
5 João Afonso
31 Cristian Tassano
33 Lucas Marques
18 Rúben Oliveira
20 Costinha
26 Jean Patric
17 Ukra
23 Cryzan

Treinador

Daniel Ramos

Rio Ave FC

Onze Inicial

1 Kieszek
25 Ivo Pinto
6 Borevkovic
33 Santos
17 Fábio Coentrão
64 Camacho
16 Guga
5 Filipe Augusto
11 Francisco Geraldes
7 Gelson Dala
21 Carlos Mané

Suplentes

22 Leo Vieira
4 Nélson Monte
9 Jr. Brandão
18 Pelé
20 Costinha
24 Pedro Amaral
40 Mesinho
45 Leandro
70 Gabriel Souza

Treinador

Miguel Cardoso

Árbitro

Hugo Miguel

Assitente

Bruno Jesus

Assitente

Ricardo Santos

VAR

Gustavo Correia

Inteligência e Pragmatismo

 

Pragmatismo, eficácia e, acima de tudo, inteligência. Foi assim que o CD Santa Clara garantiu o regresso às vitórias para a Liga NOS, carimbando a importante marca dos 40 pontos na tabela classificativa.

 

Diferente mas eficaz. Daniel Ramos, antes da partida, tinha reforçado a importância de controlar as referências individuais dos vilacondenses e assim foi. O calculismo e a eficácia na ocupação de espaços foram uma constante no jogo defensivo da equipa no primeiro-tempo. Mais à frente, no miolo do terreno, centro de todas as decisões, o tridente central conferia agressividade sem bola, fundamental para que a equipa pudesse manietar o jogo adversário. No que respeita ao plano ofensivo, o CD Santa Clara fez uso da verticalidade dos seus alas, procurando encetar vertiginosas aproximações à baliza da equipa verde e branca. Allano, Carlos Jr e Rui Costa foram alguns dos intervenientes que visaram o golo mas sem grandes efeitos práticos. Ao intervalo, o nulo no marcador não expressava a evidente superioridade no jogo.

 

No segundo tempo, nova entrada positiva da equipa. Com pé no acelerador e uma vontade intrínseca de alvejar a baliza adversária, o golo acabaria por ser uma inevitabilidade. E assim foi. Numa das várias jogadas de combinação coletivas, Anderson Carvalho dispara forte para a baliza de Kieszek que, por seu turno, largou a bola para a frente, onde já estava Carlos Jr. pronto para inaugurar o marcador. O brasileiro apontou o seu 11º golo no campeonato, números expressivos para um ala, tornando-se o jogador do CD Santa Clara a marcar mais golos numa só temporada. Era de esperar que, com o golo, a equipa baixasse o ritmo de jogo. Allano tratou de o desmentir. Numa corrida desenfreada, o ala canarinho foi em busca da felicidade mas o poste adversário roubou-lhe o sorriso e uma mais que merecida tranquilidade.

 

Com o desenrolar do jogo era de esperar que o Rio Ave FC pudesse exercer outro tipo de domínio na partida. Os vilacondenses rubricaram uma ponta final bastante esforçada, obrigando André Ferreira a um punhado de defesas soberbas. Pese embora as ameaças à baliza açoriana, a defesa encarnada tratou de responder com assertividade, afastando para longe os lances de maior perigo. No final, vitória muito importante para os bravos açorianos que carimbam matematicamente a manutenção, somando uns expressivos 40 pontos na prova.  A equipa volta agora a entrar em campo já no próximo domingo, diante do Belenenses SAD, no Estádio Nacional.

 

Os primeiros minutos de jogo mostraram um CD Santa Clara organizado e a tentar responder à maior assertividade do SC Braga através das transições. Quando a equipa já tinha encontrado tranquilidade no jogo, o SC Braga beneficia de uma grande penalidade que seria cobrada de forma exímia por Trincão. A equipa não tardou em responder e foi somando várias oportunidades de perigo junto da baliza de Matheus. Numa dessas oportunidades, o CD Santa Clara empataria a partida. Jogada de Zaidu, hoje a extremo, na ala esquerda a cruzar de forma milimétrica para uma obra de arte de Thiago Santana. O brasileiro recebe orientado, olha para a baliza e desfere um um pujante pontapé que só iria parar na baliza adversária. Depois do golo, mais CD Santa Clara mas Matheus, primeiro e os postes da baliza evitaram a reviravolta no marcador.

 

Na segunda parte,  o CD Santa Clara entrou, novamente, bastante organizado no jogo diante de um SC Braga que não conseguia ligar o seu jogo. Totalmente contra a corrente do jogo, o SC Braga chega de novo ao empate através de Trincão. Mas Santana disse, novamente, ‘presente’. O brasileiro viria a ganhar uma grande penalidade frente a Raúl Silva, expulsando o central bracarense e, na conversão da marca dos onze metros, bisou na partida. O CD Santa Clara, depois do golo, voltou a estar por cima. Esta superioridade na partida viria a culminar no terceiro golo. Lincoln recupera uma bola perdida e serve de bandeja Carlos Jr. que, na frente de Matheus, atirou a contar. Vitória importantíssima para a equipa que mais fez por merecer.

DESTAQUES

 

 

Fábio Cardoso- O capitão tem realizado uma ponta final de campeonato à sua imagem e semelhança. Hoje somou um punhado de cortes fulcrais para a vitória.

 

 

André Ferreira- Esteve à altura do desafio, transparecendo serenidade entre os postes. Somou várias intervenções de elevado nível.

 

 

Carlos Jr-  Foi a flecha do costume a procurar alvejar a baliza adversária. No final, saiu do encontro com o título de atleta com mais golos marcados numa só época ao serviço do clube na primeira liga.

Início de Jogo marcado para as 15h00. Transmissão Sport TV.