Nuno Campos: «O que me faz estar aqui é acreditar neste projeto»

Confiante no projeto.

 

Assim se mostrou Nuno Campos, na sua apresentação como treinador do Santa Clara: com crença no projeto desportivo dos açorianos, e com pretensões de o estabilizar no convívio dos grandes em Portugal.

 

“Vamos dar os primeiros passos a partir de agora e acredito que o futuro será brilhante.”

 

Nuno Campos, junto do presidente da SAD, Ismail Uzun, foi apresentado na segunda-feira como treinador do Santa Clara. Aos 46 anos, uma oportunidade que surge na carreira uma vez que houve crença no projeto desportivo do Santa Clara, nos jogadores que integram o plantel e na estrutura que no lisboeta confiou para abraçar um novo capítulo profissional. “Tive abordagens dos mais diferentes quadrantes, quer do estrangeiro, quer em Portugal, mas o que me faz estar aqui é o eu acreditar neste projeto, é o eu acreditar nestes jogadores, é o eu acreditar na estrutura. É acreditar que é possível fazer um bom trabalho.”

 

Sabendo que o clube terminou a temporada passada com recordes somados, mas com alguns percalços na presente época, fruto também de circunstâncias imprevistas e que em nada beneficiaram o grupo de trabalho, com uma sobrecarga de jogos combinada com um elevado números de baixas, o treinador do Santa Clara dá a receita: crescer, mas de forma sustentada. “Focando-me no presente do Santa Clara, quero que no futuro cresça de forma sustentada. Não adianta olharmos muito para a frente e pensarmos em coisas megalómanas, se nós, no presente, não fizermos o suficiente para que a equipa cresça de forma sustentada.”

 

Com uma ideia de jogo desenvolvida ao longo da última década e meia, com mais de 650 jogos realizados na área técnica, Nuno Campos traz experiência e princípios de jogo bem definidos. Dá primazia ao comando “do jogo com bola” e, independentemente das circunstâncias envoltas na partida, ser “dominador” e encarar qualquer adversário com confiança. “As minhas equipas são equipas que gostam de assumir o jogo. São equipas que gostam de ter uma dinâmica de mandar no jogo, independentemente do adversário.”